"Comunicação é mais que informação; informação subsidia, atualiza, nivela conhecimento. A comunicação sela pactos e educa"

Emílio Odebrecht

quarta-feira, 25 de junho de 2014


sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Em bate-papo político, Magela diz, “estou à disposição para disputar o Senado”

Na manhã desta sexta-feira (31), o Secretário de Habitação do Distrito Federal, Geraldo Magela, reuniu-se com um grupo de jornalistas independentes de Brasília. Sua finalidade? Averiguar o cenário político de Brasília à ótica dos formadores de opinião que atingem a opinião pública do eleitor brasiliense. Sim, porque em época de mídias digitais, são os blogueiros e jornalistas comunitários que conseguem inserir-se no cenário local com mais facilidade. As grandes mídias estão perdendo adesão. É só vermos a constante diminuição de tiragens de jornais e adesão às mídias digitais dos grandes veículos.
Mas... voltando ao assunto política Brasília, nota-se uma instabilidade grande. De um lado a alta rejeição de Agnelo, de outro, a posse da máquina pública que pode reverter o quadro. Ainda tem o agravante das especulações de que ele pode não ser mais candidato. Teria “jogado a toalha”. Há também a vontade da direita de voltar ao poder. Assim, a oposição conversa sobre a “chapa de direita” para derrubar Agnelo. No entanto, não se sabe se Roriz, Arruda e Luiz Estêvão correrão esse risco. Já se especula sobre uma campanha recheada de denúncias de corrupção caso eles estejam no páreo. Ainda tem a “via de escape”: Rollemberg. Após longa divulgação de sua candidatura, ele está em momento de silêncio. Não se sabe com quem pretende aliar-se. Para este, todo cuidado é pouco, pois uma aliança errada e todo seu sonho de governo vai por água a baixo. O Reguffe... bom, o Reguffe é quase carta fora do baralho. O PDT não vai querer correr o risco de eleger um governador ou senador para abandonar o barco lá na frente. Ou vai?
O que se sabe, é que a maioria da população brasiliense, em torno de 67%, está indecisa. 80% insatisfeita com Agnelo. Apenas 6% votariam em Roriz. Então é um quadro ariscado. Tanto para o PT quanto para a oposição, seja ela de esquerda ou direita.
Mas e Magela? Questionado sobre os candidatos ao governo, ele afirmou que o candidato natural ao governo é Agnelo. Quanto ao senado, ele afirmou que está à disposição do partido para disputar e se julga dentro de perfil para tal. “O candidato ao senado para mim deve preencher três requisitos, ter uma história de trabalho pela cidade, ter compromisso com a presidenta e poder de levar votos para a coligação”, afirmou Magela.
O desfecho desse cenário? Só o tempo nos dirá...

Aos coordenadores de campanha, devo lembrar que o eleitorado brasiliense é majoritariamente jovem, dessa forma, a vontade de mudança tende a ser maior.
Ocorreu um erro neste gadget